DIA DA MÃE

“A palavra Mãe apesar de pequena tem um significado infinito, pois quer dizer amor, dedicação, renúncia a si própria, força e sabedoria.

Mãe é aquela que abre os braços quando preciso de um abraço.
Mãe é aquela cujo coração sabe compreender quando preciso de uma amiga
Mãe é aquela que apesar de ter uns olhos sensíveis consegue endurecer quando preciso de uma lição.
Mãe é aquela cuja força e amor guia a minha vida e me dá as asas para voar.
Mãe é aquela que só me deu à luz mas também, a que participa em cada episódio da minha vida.
Ser Mãe é assumir de Deus o dom da criação, da doação e do amor incondicional. Ser mãe é encarnar a divindade na Terra!
Só depois de sermos mães é que conhecemos o verdadeiro amor incondicional.
É que percebemos como uma mãe vê a alma do filho só pelo seu olhar.

Há poucas mães. Ser mãe não é só ter filhos. Ser mãe não é ter, é ser. Ser só. Ser-se quem se é nos filhos e pelos filhos. É viver em pleno entre dois corações. É ser mais… por ser menos.
Ser mãe é ter tudo que se quer para doar, doar os próprios sonhos e até mais; é ser a gota do oceano do seu filho e fazer de tudo para que nunca o veja naufragar…
E quando sou adulto busco a minha mãe dentro de mim… e tudo o que a minha mãe não conseguiu dar vou eu dar a mim própria!
Como diz uma aluna minha do 2º ano da Biodescodificação Transgracional “Quem têm uma mãe… têm tudo”

Assim diz o ditado judaico: “Deus não pode estar em todos os lugares e por isso fez as mães.””

Texto de Carla Anjos – Biodescodificação Transgeracional